Bombinhas Adventure Runner: Diabetes dificulta, mas não impede de correr

Dreyer2Como se diz popularmente, Alessandro Dreyer fez do limão uma limonada. Tudo começou em maio de 2007, quando Alessandro, apostou com quatro amigos que participaria da Rústica de Porto Alegre (que acontece junto com maratona), mesmo sem nunca ter corrido de verdade. Ele foi lá e completou os 10 km sem problema. Como gostou da brincadeira, resolveu continuar dando as suas corridinhas de vez em quando, mas sem pretensões de participar de outra prova. Só quando soube que tinha diabetes é que ele começou a correr para valer.

Em julho de 2007 Alessandro começou a emagrecer muito rápido. Desconfiado foi procurar um médico e o exame detectou diabetes do tipo 1. “Fiquei chateado e comentando com um grande amigo e meu chefe, Claudio Ramires, aliás o incentivador das minhas corridas, ele me falou a seguinte frase, que me marcou muito: Com o diabetes você terá uma alimentação de atleta; porque não aproveita para se tornar um?

No outro dia Alessandro resolveu levar a dica do chefe a sério e foi correr. Para seguir um treinamento resolveu assinar a CR para acompanhar as planilhas. Para ajudar, montou o que ele chama de tripé: um médico, um nutricionista e um educador físico. “Os três profissionais são fundamentais para que o diabético tenha um treinamento sem risco” Um ano depois de fazer a Rústica, completou a Maratona de Porto Alegre.

Mas eu ainda tinha muitas dúvidas sobre a quantidade de insulina que deveria tomar durante a corrida, a quantidade de carboidrato em gel que deveria ingerir, e em qual momento deveria medir a glicemia durante a prova.” Como o seu foco eram distâncias cada vez maiores, resolveu buscar na Internet respostas para os seus questionamentos.

Os médicos ajudam muito pouco, pois não há uma receita para estas questões, já que cada diabético reage diferente. Trocando informações com outros diabéticos do grupo de corredoresDiabetes & Desportes e testando as dicas durante os treinos, descobri o que é o melhor para mim. Tive que aprender como o meu corpo reage durante a corrida. Autoconhecimento é chave para o sucesso“, conta.

Diabetes & Desportes é um site voltado para o diabético praticante de exercícios físicos que tem como objetivo a discussão e disseminação de informações sobre o diabetes e a atividade física. “Existe uma lista de discussão em que se pode trocar informações e experiências de cada um nas provas” comenta Alessandro.

CONTROLE O TEMPO TODO. A grande questão do diabético é acertar a quantidade e tipo de alimentação e a quantidade de insulina antes, durante e depois da prova. Alessandro se aprimorou tanto que já é capaz de saber que tipo de alimento deve ingerir conforme o seu índice glicêmico (existe uma tabela de níveis). 

Alessandro treina seis dias da semana como uma pessoa qualquer. A diferença é que sempre tem por perto o seu kit. “O monitoramento contínuo da glicemia é muito importante, antes, durante e depois dos treinamentos e provas. A hipoglicemia pode me fazer abandonar uma prova e a hiperglicemia pode me desidratar, prejudicando o meu rendimento.

MARATONAS E ULTRAS. Com disciplina e autoconhecimento Alessandro recentemente foi habilitado a entrar para o seleto grupo Marathon Maniacs por ter participado em 14 dias do Desafio 12 Horas em Esteira e a Ultramaratona Rio 24 Horas Fuzileiros Navais.

Aos diabéticos que querem começar uma atividade física, ele recomenda: “Ache um bom médico, mas se ele disser que só pode caminhar, troque de médico. Diabético não é um incapacitado, pode fazer de tudo desde que tenha cuidado. Cito as palavras de Marcelo Bellon, que já fez 10 Ironmans, algumas ultra e maratonas: Adapta o diabetes a tua vida e não a vida ao diabetes.

Fonte: Bombinhas Adventure Runner

 Se você é diabético, está esperando o que para se juntar a essa turma?

Share